La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / DE DENTRO DA JANELA (Série Crônicas)

 Imprimir  Recomendar
  [C:531952]

Extasiam-me os espetáculos vinculados às rotinas da Natureza,

São mais que lindos ou maravilhosos...

Se os descrevo como lindos, empobreço-lhes o potencial e lhes furto o atributo da imparcialidade,

Definindo-os, simplesmente, como maravilhosos

Levo todos às ciladas das utopias e quimeras,

Incorrendo em falta, grandemente, pelo fantástico que são:

A chuva e todo o elenco que com ela atua, quer fertilizando a terra ou no purificar da atmosfera, volvendo-os mais apropriados aos seres que deles necessitam;

O sol com sua fluorescência acalentando o que é vivo, enquanto tempestivamente, predispõe à vida o que ainda é dormente;

A própria vida no desdobrar do dia a dia, inclusive,

A morte embora, pela ignorância mal interpretada, é, entretanto, digna de apreço. É ela que coroa o ciclo do que é tangível e para quem o nada é alguma coisa e tudo se iguala tornando-se lhe indispensável - Por ser, soberanamente, imparcial!

Carente torna-se toda a lingüística aprendida diante das manifestações da Natureza, e nesta pequenez minha, são estes desdobros, mais que lindos ou maravilhosos, e ainda que antagônico, digo que são verdadeiros ESCANDALOS - Como todos os movimentos numa obra, às vezes ferem, causam perplexidades,separa,destroem,apavoram...

Contudo, o objetivo precípuo de toda construção é edificar.
Os movimentos ruidosos são, todavia, parte nesta construção contínua e ESCANDALOSA o que é a Vida em sua cotidiana dinâmica!

P.S. Enquanto posso é ainda sou ouvida, deixo em prosa o amor que tenho à Vida, mesclando-o às crônicas de um Serelepe, de quem gosto especialmente, que ainda não entende bem o fenômeno vida, que se recusa a ouvir sobre a morte, que tem medo de trovão, mas, bem de lá do fundo de sua fértil imaginação espera ver um raio cair, para daí transformar-se num tal Homem-choque Pra quê?! Que sei eu!!
O certo é que como a grande massa da sua geração curte a chuva do lado de dentro da janela.

Texto agregado el 07-11-2013, y leído por 65 visitantes. (0 votos)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]