La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / HÁ QUEM DIGA (Série Crônicas)

 Imprimir  Recomendar
  [C:523685]

Que tem algo de dor,
Que se assemelha a comichão;
Apostam ser resultado de um contato imediato, ou abdução;
Para parecer inteligente dizem ser um revelar profundo do ser - Que aquele que lhe podia realmente explicar a outro estagio da vida ao qual chamam morte, fora requisitado, e que na hora “H”, sem dizer dos seus complexos, por lhe haver faltado a respiração, como se fora um dos mais simples, simplesmente partiu;
A ignorância afirma que é coisa feminina... Porquanto o intolerante confirma, enquanto o preconceito no extremo da arrogância se deixa a distancia, se achando, não se digna nem mesmo a opinar.

Eu tampouco sei lhe conceituar ou definir deixo o assunto aos dicionaristas, gramáticos, lingüistas e aos poetas, por sabidos que são. Já que eu, não sei o nem mesmo o que me passa a mim, quando a abstração me toma prá si – Verdade é que não sinto dor ou comichão, abduzida eu..., prefiro fazer-me à morta... Quanto aquele um, que para tudo tinha uma bela explicação, juro corri atrás, imaginando para mim uma solução, porém, pelo que deixou a todos leva a crer que sou caso perdido – Nem mesmo Freud...

Assim, assim antes das cobranças, e por não poder dizer com quem ando... embora, tenha eu a solidão por companhia, melhor mesmo é assumir que em relação a essa questão e aquela outra..., passo, pois “o que sei é que nada sei”!

Porém considerando a omissão comportamento declarativo do grau de elevação, ai de mim pobre criatura, tenho a revelar que na construção de lindos castelos em panoramas surreais, na exaltação do amor, nas citações do ódio e outras loucuras mais ou quando eu nem sei quem sou – Num desconhecer total de fronteiras, Ela quem eu busco e na incondicionalidade me entrego, diante dos seus encantos como criança brinco, e lhe ouvindo os sussurros como maior me permito às saliências dos meus desejos mais ocultos.

E embora, sem Sabê-la ao certo confesso: não sou sem Ela e na grata satisfação, Dela sou cativo, ou como compraz aos tempos e ao saber, melhor me cabe dizer que, sou eu não mais que um dos medianeiros da Inspiração.

Texto agregado el 11-06-2013, y leído por 79 visitantes. (0 votos)


Lectores Opinan
2013-06-12 14:06:41 eu me digno opinar. podo? Eu sei quem sou e não confesso os meus desejos mais ocultos.+++++ crazymouse
 
Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]