La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / VERSOS VULGARES. (PROSA POÉTICA)

 Imprimir  Recomendar
  [C:377343]

Nós, novamente, entrelaçados...
Tu, tua poesia alquebrada, e eu.
Falas de amores e os rima com dores;
Dizes de sonhos e te olvidas da realidade!

Ah, poeta, meu caro poeta,
Em teu solitário entusiasmo sentimental
Tens esquecido do leme da própria vida
e de rimá-la, em suas nuanças multicores,
Assim, vives à deriva!

Derrama-te poeta,
Em prosa e em versos, conta da alma e do coração.
Recorda, todavia, que nalguns instantes necessário se faz, esquecer; das rimas e refrões que derivam de ingratidão e se transformam em versos vulgares.

Caríssimo,
Observa os jacarandás, florescem e se despejam; ornando caminhos, sob calcares imaturos de desfazimento, não obstante, estendem-se garbosos,
e pelo chão, viçosos tapetes a colorir a rota do caminheiro, não afeto as suas flores!

Ah, amante louco, lírico,
Que diz não rimar e nem cantar como os Poetas cantam e rimam; que verseja, simples, como sabe e que se entrega, inteiro, em profissão de fé, à inspiração...

Reconquista o timão da tua vida,
Lembre-te, ninguem nasceu para sofrer.
Mira, os floridos jacarandás...
E torna tuas rimas doravante, coloridas.
E teus versos consoantes à uma nova floração!

Poeta,
Poetas não são menos Poeta,
Ainda que rimem somente o amor com a dor;
Espelha-te na águia mesmo ferida não deixa de ser águia, bem o sabes, pedaço de mim!

Texto agregado el 28-10-2008, y leído por 625 visitantes. (0 votos)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]