La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / DOSSIÊ - TERCEIRA PARTE.

 Imprimir  Recomendar
  [C:334718]

Já sabes o lápis bem segurar, porém ainda falta para dominá-lo na escrita e tuas muitas histórias num caderno poder deixar -, bem sei que queres, como o papai, ser um escritor, e isso, digo não por dedução ou fantasia, é que outro dia tu me disseste "Mamãe, sou igual ao papai..." "É! E o que que faz você?" "Sou escritor, faço história" Juro que foi assim, assim, sem mais nem menos. Parece até história, mas, invoco os anjos como testemunhas. Deixo, porém, meu pensar: concerteza ainda ouvirei tuas expectativas de um dia quere ser, quando crescer, médico, professor, policial, motoboy, cantor, advogado, engenheiro, motorista, gari, presidente, militar... Não compete a mim, determinar para ti uma profissão, mas, implementar os teus sonhos; nas minhas condições e limites, para mais tarde contigo regozijar por te encontrares feliz na execução dos teus propósitos.

Entretanto, enquanto cresces e sonhas, tuas belas telas, a guache; ora a dedos, ora a quatro mãos -, duas tuas e duas das tias, aquém te confio aos cuidados -, se espalham emolduradas nas paredes da nossa casa.

Da gramática não conheces, por agora, as regras, tampouco sabes a direção dos ponteiros, do relógio, porém, disse-me o vovô, da tua noção sobre o tempo, quando protestas deixando o banho pra hora que eu, da repartição chegar, e olhando o velho relógio de parede -, desde a muito sem funcionar -, dizes: “Deixa Vô... Já, já a mamãe chega... Mais tardinha eu banho, tá !?

Ah, minha sementinha, lindo é o teu crescimento, vives a me surpreender!
E eu vivo lidando com os meus muitos sentimentos observando apaixonada o teu desenvolver. Dentre esse sentimentos, vários, está o medo... Tenho tentado afugentá-lo aprendendo quase tudo que se refere sobre gente; sobre gente grande, gente pequena, gente sã; sobre espiritualização, matéria, vida, finanças, fisiologia, psicologia até sobre as muitas enfermidades que tiram a razão da gente. Tenho revisto conceitos, reavaliado meus procederes; tenho refletido, fantasiado... Parecendo-me que, incluso, aprendi a escrever. Em fim...! E, sobretudo, como me manter viva para ver-te crescer. E ainda assim, ele comigo no dia a dia, uma hora eu o enfrento e ele se recolhe, depois é ele que vem, assustadoramente, me enfrentar -, como aquelas baratas que agente atira sobre elas o inseticida, por um tempo ficam ali mortinhas, mas, horripilantemente, se levantam e caminham na direção da gente.

Texto agregado el 31-01-2008, y leído por 107 visitantes. (1 voto)


Lectores Opinan
2008-01-31 19:52:38 é muito emocionante este relato e realmente lindo poder presenciar o desenvolvimentos de uma criança, o seu dia a dia...cada momento uma nova surpresa...é demais! ainda não cheguei na fase do lápis...mas daqui a pouco hahahaha 5*...beijos nocheluz
 
Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]