La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / CHUÁ, CHUÁ.

 Imprimir  Recomendar
  [C:322519]

Hoje mandei embora:
Os sapatinhos de bebê;
As roupinhas que já não serviam mais;
O carro e a cadeirinha de passeio;
O “troninho” do pequeno príncipe;
As fraldinhas de pano, que irão secar as babas de outro nenê.

Separei em saco bem grande:
Os carrinhos sem rodas;
Os cavalinhos de pernas arrancadas;
Os cacarecos de montar.
Os triciclos que com outros irão rodar;
A barraca de esconder;
A máscara do Batman;
A capa do Superman;
A luva do Homem-Aranha;
A bóia que deixa afundar.
Os dinossauros que reluzem no escuro;
O carro de polícia de sirena estragada;
Os bandidos de brincadeirinhas
E os soldadinhos de plásticos.

Guardei numa caixa fornida:
Um par de sapatinhos de lã;
Uma roupa miúda de bebê;
Um bichinho de pelúcia, de orelha desfiada.
Um alfinete azul com uma cara de gatinho;
Os CDs de cantigas de roda;
O Livro do Lobo que gosta de fazer medo.
Os álbuns de fotografias;
Os primeiros cadernos um desenho outro de caligrafia.
Uma fralda de pano com àquele cheirinho, que nunca será esquecido.

Relembrei com imenso carinho:
O primeiro choro;
O primeiro engasgo:
Os primeiros passos;
A primeira palavra – Papai.
As gargalhadas;
Os porquês das palmadas;
As frases engraçadas;
E os fatos curiosos.

Chorei:
Quando o grande furgão chegou...

E pranto se despejou:
Pelas vidas separadas,
Tal qual folhas soltas ao vento,
Ignorava que rumavamos para o futuro.

E disso somente me dei conta quando com voz de anjo meu pequenino ao meu redor cantarolava a cantiga que lhe compus. Um segredo nosso, para o medo afastar:

- Chuá, chuá.
Assim faz a chuva no telhado a se derramar;
Agora ouça, é o trovão, metido a feio a trovejar.

Mas, o medo, pra quê?
Se tu podes comigo contar e cantar.

Anda, apura-te!
Vamos lá fora esse medo afugentar

Chuá, chuá...

Estás vendo é apenas a chuva a terra a lavar
E o trovão, metido a feio, a assustar àqueles que,
Não querem com a natureza colaborar.

E o medo, cadê?
Apura-te!
Volta já pra cama, a descansar.

Chuá, chuá...

Ao ouvir, o meu pequeno anjo, meu coração se aquietou.
Contudo, em minha profunda tristeza, embora, tímida uma só lágrima dessa vez, ainda, se atreveu.

Texto agregado el 20-11-2007, y leído por 167 visitantes. (2 votos)


Lectores Opinan
2007-11-20 20:42:42 que linda poesia...é assim, há fases nessa vida, e temos que aprender a dizer adeus a cada uma delas...isso é viver, eu acho. Mas é tao difícil às vezes se despedir, nao é? entendo bem esse sentimento...uma gracinha teu chuá chuá , todas as estrelas***** nocheluz
 
Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]