La Página de los Cuentos
Tu comunidad de cuentos en Internet
[ Ingresa
|
Regístrate ]

Menu
Home
Noticias
Foro
Mesa Azul
Eventos
Enlaces
Temas
Búsqueda

Cuenteros
Locales
Invitados


Inicio / Cuenteros Locales / hibrida / ACRIMÔNIA

 Imprimir  Recomendar
  [C:213280]

Quando o amor se vai, simplesmente,
Fica o amargor daquilo que não foi dito,
Talvez, porque se esperava o momento certo,
E de repente calaram-se as vozes.
O encanto findou.

Quando o amor se vai somente o amargo
Gosto, das palavras que foram silabadas, fica.
Muitas tão refletidas: na busca da concretização de
Alguns sonhos, outras tantas só para dar cor e, até,
Sabor a aquilo que se sonhou.

Quando o amor se vai, unicamente, ficam às lembranças:
De doces momentos;
Das frases caramelizadas;
Dos verbetes ditos, por assim, dizer;
Das orações ricas e pomposas - construídas ao bel prazer
Do amor, que um dia ousou.

Quando ele, o amor, se vai lamentavelmente, apenas,
Às lágrimas restam solvendo o agradável sabor das
Lembranças, irrompendo-se em nós na garganta.
Denotando o sofrer daquele que sonhou e atreveu-se.
De resto fica a acrimônia do fim.

Texto agregado el 14-06-2006, y leído por 115 visitantes. (0 votos)


Para escribir comentarios debes ingresar a la Comunidad: Login


[ Privacidad | Términos y Condiciones | Reglamento | Contacto | Equipo | Preguntas Frecuentes | Haz tu aporte! |
]